A atividade cerebral do bebê

Texto extrato do excelente livro de André Trindade, “Gestos de Cuidado, Gestos de Amor” (Ed. Summus, 2007)

“Nos três primeiras anos de vida, a atividade cerebral humana e tão intensa que supera a também enorme atividade do cérebro de um adolescente em fase de prestar vestibular. No primeira ano, o cérebro do bebe lembra mais o de um adulto do que de um recém-nascido. Na idade de 2 anos, o cérebro da criança é tão ativo quanta o de um adulto.

Ao nascer, o bebe humano terá cerca de cem bilhões de neurônios. E são essas células nervosas que ele vai utilizar por toda sua vida. Portanto, o aumento de peso e volume, ou seja, o crescimento do cérebro nesses primeiras anos, ocorrera não pela aquisição de mais neurônios, mas pela formação de sinapses – conexões entre os neurônios, que formam circuitos responsáveis por ligar diferentes áreas do cérebro. Poderíamos dizer que o bebe está ocupando e reconhecendo esse complexo instrumento chamado cérebro. Em nenhum outro momento da vida, essa atividade e expansão serão tão intensas.

yoga para mães e bebês

Observando a rotina de uma criança em seus primeiras anos de vida, custamos a imaginar que atividades tão corriqueiras de seu cotidiano possam gerar tanta atividade cerebral. O bebe dorme, acorda, chora, mama, movimenta-se, reconhece sons, distingue vozes, cheiros e imagens. Percebe seu corpo no espaço no colo, no banho, na troca de fraldas, aprende a sentar, ralar, torcer, engatinhar, andar. Alcança objetos, observa-os e lança-os longe. Reconhece os sons de seu corpo: da respiração e dos batimentos cardíacos, que variam de acordo com os estados emocionais, possibilitando que aos poucos ele possa criar, de acordo com os diferentes ritmos, nuanças entre um estado e outro, identificando seus sentimentos.

Escuta os sons do tubo digestivo, relaciona-os com a sensação prazerosa de seu estomago distendido pelo preenchimento do alimento. Reconhece a sensação de preenchimento e esvaziamento em outros órgãos: do ar nos pulmões, da pressão do sangue nas cavidades do coração e nas veias e artérias. Sente que esta vivo e que pulsa, reconhece a noção do tempo. Brinca.

Sente a falta da mãe e também sua presença. Sente o prazer do toque afetuoso, do carinho. Sente o amor.

Seduz e encanta. Com essa sedução, envolve o adulto cuidador para que ele atenda as suas necessidades.

Demonstra sua fragilidade e desampara. Sabe reclamar chorando, enrubescendo, esperneando. Enquanto dorme, sonha, demonstrando que e capaz de imaginar e memorizar.

Serão as experiências vividas por esse pequeno ser humano que imprimirão em seu cérebro caminhos, atalhos e trilhas que ele utilizara pelo resto da vida para relacionar-se com outros humanos, “amar, desamar, amar” (Carlos Drummond de Andrade), sonhar, imaginar, construir as filosofias, as matemáticas, as ciências, as artes.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s